Primeira Assistida #2 – The Office

26 mar

“Como um médico, você não contaria a um paciente que ele tem câncer.”

Naquele sábado estranho, quando decidi comprar uma pizza e gastar minha noite assistindo séries, eu não fazia ideia do que estava para acontecer. Sempre ouvi falar de “The Office e os comentários eram sempre bons. “A série é tão engraçada”, “É o escritório mais engraçado de todos” ou “Se meu chefe fosse daquele jeito, pegava uma zarabatana, acertava um dardo com tranquilizante no pescoço dele, o amarrava, o torturaria por horas e enfim, passaria uma faca na garganta dele e o sacrificaria aos deuses nórdicos”.

Por estar buscando novas séries e por querer fazer mais um post sobre a Primeira Assistida, baixei a primeira temporada de The Office. Se eu soubesse, teria gravado um vídeo do momento em que acionei o torrent.

the-office-gang

Com um pedaço de pizza na mão e uma xícara de café na outra, precisei recorrer a meu pé esquerdo para dar play no primeiro episódio. Nos próximos 20 minutos, eu poderia ser visto engasgando com a pizza e quase derramando café por cima da mesa em momentos mais engraçados.

A série, basicamente, conta a história do dia-a-dia de um escritório fornecedor de papel. Tudo é gravado como se fizesse parte de um documentário (o que é muito legal) e logo de cara, o que mais chama atenção é o gerente do escritório. Ele parece não saber diferenciar muito bem a hierarquia do ambiente de trabalho e tenta ser amigo de todos os funcionários. Por seu comportamento escroto, é visto como o “mala” do escritório.

Seja tentando fazer uma piadinha e acabar por atrapalhar todo o andamento do serviço, imitar o Yoda, agir como um completo retardado ou sem querer, semear a discórdia no ambiente de trabalho, Michael Scott se mostra um excelente gerente.

Pelo primeiro episódio, acho que ficou claro que poucos funcionários estão satisfeitos com seus empregos. Uma certa tensão se levanta por causa de um boato de um possível Downsizing (cortar custos demitindo funcionários desnecessários). Mesmo não gostando daquele emprego e querendo fazer algumas coisas diferentes, ser demitido nunca é legal (mentira, já fui demitido e foi a melhor coisa do mundo).

O episódio gira mais ou menos por aí. Ainda dá a entender a entender um possível romance entre dois personagens, insere um estagiário (essa raça está sempre presente), mostra quem é o puxa-saco do chefe e faz tudo isso de forma engraçada. Aliás, agora que digito isso, tenho quase certeza que derrubei um pouco de café no teclado enquanto me sacudia de rir de uma falsa demissão no episódio. Deuses, aquilo foi lindo.

Se eu gostei? Por favor, desde o piloto de Friends não me animo tanto para uma série de humor.

goodbye_michael_scott

 

Eu deixaria de assistir algum episódio de Friends para assistir esse episódio piloto de The Office? 

Não, pois Friends é Friends. Mas se por um acaso, baixasse o episódio piloto de The Office achando que era algum episódio de Friends, não ficaria chateado.

Algo que seria interessante mencionar: a primeira temporada tem 6 episódios e a segunda temporada tem 22 episódios. Na escola que estudei, me ensinaram que: 6 + 22 = 28. Sim, 28 foi o número de episódios de The Office que assisti em menos de 40 horas. É, segunda-feira e estou prestes a começar a terceira temporada.

Até o momento, a série não me falhou em nenhum episódio e todos eles me arrancaram gargalhadas. Inclusive, na metade da segunda temporada, fiquei com vontade de morder minha impressora. Por qual motivo? Não sei. Acho que quando você ri tanto de algo, seu cérebro desliga. Consegui me controlar e não mordi minha impressora, mas passei uns bons minutos deitado no chão do quarto rindo com o episódio pausado.

Caras, estou adorando essa série e só os deuses nórdicos podem me julgar.

That’s what she said!”