Sobre

Besteiras e Cafeína?

No longíquo ano de 2009, eu estava com muito tempo livre. Por burrice minha ou decisão dos deuses, gastava boa parte desse tempo no Orkut. Certa vez, ao deitar a cabeça no travesseiro, já pronto para dormir, percebi que não tinha feito nada de produtivo naquele dia. Esse pensamento me assustou. No dia seguinte, criei um blog.

Desde então, o blog já passou por várias e drásticas transformações. Já foi do Blogspot e até do WordPress. Hoje, com garbo e elegância, tem domínio e hospedagem próprios.

Assim como na época do Orkut, continuo escrevendo besteiras na internet. A diferença é que hoje, ao deitar a cabeça no travesseiro, não tenho a impressão de que não estou fazendo nada de produtivo. Estou criando algo, mesmo que esse “algo” seja um texto sobre um maluco que gosta de bater na cara da mulher que o faz de corno.

 

Quem escreve?

1

Num dia qualquer de um novembro qualquer, uma mãe estava a caminho do hospital para dar a luz a seu primeiro filho. Desse dia em diante, a vida dela mudou, a vida de Dona Ruth mudou, a vida do tal bebê mudou e, de certa forma, a sua vida mudou.

Magnata do café e escravo da cafeína. Rafael é um jovem de inteligência superior, elegância rara e vida agitada curtindo as festas do high society. Acostumado a uma vida de bebedeiras, fornicações e muitas emoções, largou tudo isso depois de ter tido um sonho em que uma menina bonita o reprovava por viver essa vida.

Hoje, Rafael pode ser visto todos os dia recitando trechos de músicas do Raça Negra na Praça da Sé, mas cuidado: se você for até e perguntar seu nome, ele lhe responderá com um tapa na cara e sairá correndo feito o Papa-léguas.

Muitas vezes conhecido apenas por “Rafa”, ele tem o hábito de ler boas histórias e criticar gatos que passem por sua frente, curte ouvir músicas e está sempre na procura de um novo som que faça seus olhos brilharem, filmes e séries são presenças constantes em telas quaisquer diante de seus olhos, é um apaixonado pela vida e apreciador de belezas.

Tirar sonecas são seu objetivo de vida.