Terça Histórica #2 – A Guarda Suiça

8 maio

Há uns dois anos atrás, eu estava devorando todos os livros que passavam rebolando na minha frente. Anjos e Demônios foi um deles. Comecei a ler e estava gostando. Era o primeiro livro do Dan Brown que eu lia e ainda não sabia da tão famosa fórmula que ele usa em todos os seus livros. Não estou criticando. Ele usa uma fórmula, sim e usa bem.

Pois então, em uma das passagens do livro, Robert Langdon e Vittoria Vetra (uma beleza) descem do avião que os levou até Roma e são recebidos por um certo piloto que os levariam de helicóptero até o Vaticano. A tal passagem:

O piloto saltou e caminhou na direção deles pela pista.
Agora era Vittoria que parecia apreensiva.
– Esse é o nosso piloto?
Langdon também ficou preocupado.
– Voar ou não voar, eis a questão.
O piloto parecia estar vestido para um melodrama shakespeariano. Sua túnica bufante era listrada verticalmente de azul – vivo e dourado. Usava calças e polainas combinando. Estava calçado com sapatos rasos pretos que pareciam chinelos. Na cabeça, trazia uma boina preta de feltro.
– O uniforme tradicional da Guarda Suíça – explicou Langdon. – Desenhado pelo próprio Michelangelo. – Quando o homem se aproximou mais, Langdon
estremeceu. – E, admito, não foi um dos melhores trabalhos dele.

Em toda a minha leitura de Anjos e Demônios, precisei recorrer ao Google Imagens para melhor interpretar algumas obras, monumentos, igrejas e edifícios em geral. Depois dessa estranha descrição, inaugurei as pesquisas complementares.

Era errado. Na minha cabeça, era inadmissivel que a guarda que garante a segurança do líder da maior instituição religiosa do mundo, se vestisse como palhaços.

Decididamente não foi o melhor trabalho de Michelangelo

Por melhor que o Dan Brown fosse em construir um clima sombrio e tal, tudo seria destruido com a aparição de integrantes da Guarda Suiça. A roupa deles é pior que a do Capitão América e isso é muita coisa.

Ganhei um certo interesse pelo Vaticano depois de ler Anjos e Demônios. Uma das coisas que busquei entender mais, foi a Guarda Suiça.

 Guarda Suíça Pontifícia é o nome dado ao corpo de guarda responsável desde 22 de janeiro de 1506 pela segurança do Papa. Hoje constitui também as forças armadas da Cidade do Vaticano É a única guarda do mundo em que a bandeira é alterada com cada novo chefe de Estado, pois contém o emblema pessoal do Papa.

O dia 6 de maio é a data de admissão de novos guardas. Estes prestam juramento diante do Papa e fazem o juramento com a mão direita levantada e os três dedos do meio abertos, recordando Zurique, Uri, Unterwalden e Lucerna.

Basicamente, a Guarda Suiça é a responsável por não deixer o papa morrer. Sem ser da forma natural, claro. Não são tão bons assim.

Ao contrário da idéia que o uniforme passa, são altamente treinados. Não são muleques com roupa de palhaço pedindo uns trocados no sinal. Apenas homens de constituição física louvável, com um mínimo de 1,74m de altura, católicos, com ensino médio concluído, idade entre 18 e 30 anos, que não fizeram nada de errado na vida, já tiveram o treino no serviço militar suiço e não são casados, podem integrar a tão honrosa guarda. O tempo mínimo para participar da Guarda Suiça é de 2 anos, o máximo de 20. Ah, claro, precisa não ter vergonha na cara.

Entre as suas tarefas encontra-se a prestação de serviços diversos para o Papa, tais como a guarda em visitas de autoridades estrangeiras, o acompanhamento e assistência ao Papa durante viagens internacionais ou a prestação, à paisana, de serviços de segurança do Papa, ocasião em que os guardas se misturam com as multidões na Praça de São Pedro. Nesse caso os soldados da Guarda Suíça servem como guarda-costas, estando equipados com armamento variado e modernos equipamentos de comunicação.

Em Anjos e Demônios, o pessoal da Guarda Suiça só serve pra morrer. Prefiro acreditar que na vida real eles sejam realmente bons.

Inicialmente a Guarda Suíça era um conjunto de soldados suíços, que combatiam por diversas potências europeias entre os séculos XV e XIXem troca de pagamento.

A Guarda Suíça do Vaticano foi formada em 1506, em atendimento a uma solicitação de proteção feita em 1503 pelo Papa Júlio II aos nobres suíços. Cerca de 150 nobres tidos como os melhores e mais corajosos chegaram a Roma vindos dos cantões de Zurique, Uri, Unterwalden e Lucerna. O seu comandante era o capitão Kaspar von Silenen.

A batalha mais expressiva foi em 6 de maio de 1527, quando as tropas invasoras imperiais de Carlos V de Habsburgo, em guerra com Francisco I, entram em Roma. O exército imperial era composto de cerca de 18000 mercenários. Em frente à Basílica de São Pedro e depois nas imediações do Altar-Mor, a Guarda Suíça lutou contra cerca de 1000 soldados alemães e espanhóis. Combateram ferozmente formando um círculo em volta do Papa Clemente VII visando protegê-lo e levá-lo em segurança ao Castelo de Santo Ângelo. Faleceram 108 guardas, mas em contrapartida 800 dos 1000 mercenários do assalto caíram mortos pelas alabardas dos suíços.

Até que alguém tente matar o papa e a Guarda Suiça precise cortar a cabeça do individuo para proteger Sua Santidade, acharei que eles são apenas panacas de roupa colorida. Igual fãs de certas bandas.

 

As informações que não foram tiradas do Wikipédiia, Anjos e Demônios e Google Imagens, vieram de minha mente.