Um bloco falso, sim

2 nov

Tive que fazer um jogo para uma apresentação na faculdade. Como acabei programando todo o jogo, tive que arrumar um monte de bugs e aprendi que sempre (sempre!) vai aparecer mais um quando outra pessoa estiver jogando.

O esquema era deixar o jogo rodando num computador e quem olhasse, se interessa e quisesse jogar, simplesmente faria isso.

Um garoto de uns 10-12 anos estava passando, olhou para o banner do jogo, se encantou e quis jogar. Rapidamente passei os comandos e disse qual era o objetivo. Na metade do jogo, ele foi pular de uma plataforma para outra e o personagem caiu. Eu estava assistindo ele jogar e temia que isso fosse acontecer. Sabia que por algum motivo, aquilo não estava funcionando como deveria e que o personagem “cair” da plataforma sem motivo algum era algo que poderia acontecer.

Esperei a reação do garoto praticamente encolhido no meu canto e desde já morrendo de vergonha. Me surpreendi.

– Porra, cara! Um bloco falso! Dahora! 😀

A inocência é algo incrível. Eu já estava quase indo me desculpar com o garoto por ter permitido que aquilo acontecesse e estragasse a experiência dele com o jogo, quando ele vira pra mim e faz um comentário desse em tom de elogio pressupondo que fiz aquilo para “enganar” quem estivesse jogando.

Ele realmente pareceu ter gostado do jogo. Fiquei imensamente contente (difícil usar essa palavra, mas é adequada para o momento) com isso.

Obrigado, garoto.