Um dos pulos do Gessinger

24 mar

“Trago sempre comigo a lembrança de um show desse ano. Mais na boca do que na memória: um dente de ouro. Tocávamos na Chapada dos Guimarães, Mato Grosso. Lugar mágico, show ao ar livre, um mar de gente. No fim da primeira música, subi no praticável da bateria. Adorava me jogar de lá, a sensação de aterrissar no exato momento da última nota da canção é muito boa. Os saltos viraram uma marca dos shows, rendendo, até hoje, ótimas fotos. Nesse dia, não me dei conta de que havia um tirante de ferro ligando duas colunas, acima da bateria. No voo, dei, literalmente, de cara com o ferro. Quando pousei, uns três ou quatro dentes estavam esmigalhados. Cuspi os cacos e, não sei como, consegui levar o show até o fim. Só a adrenalina do palco explica. Lembro de pedir para reposicionarem uma das câmeras de TV que cobriam o show, a que estava no lado atingido. Nunca fiquei nu na frente de milhares de pessoas, suponho que a sensação não deva ser pior do que aparecer sem dentes.

No avião, voltando para casa, a dor era terrível. Para piorar a situação, era domingo e eu havia combinado de participar de um show do Lulu Santos. Sem chance de passar num dentista antes. Não queria cancelar, pois já havia rolado uns mal-entendidos entre a gente. Seria bacana participar do show. Toquei Parabólica, numa versão desproporcionalmente emocionada, pois, cada que vez que passava ar pelos dentes quebrados, eu via estrelas.

Retirei esse trecho do “Pra Ser Sincero – 123 Variações Sobre um Mesmo Tema”, um livro massa do Humberto Gessinger.

Por mais errado que seja, eu confesso que achei legal saber que ele conhece a dor de quebrar alguns dentes. Admiro o cara, acho foda os sons que ele faz, quando ele está no baixo as músicas parecem ter um outro sentido e até mesmo com blog ele manda bem. Legal poder compartilhar com o cara a horrível sensação de respirar com dentes quebrados. Poucas pessoas podem dizer que tem esse tipo de ligação com um artista que admiram.

No meu caso, quebrei alguns dentes ao cair de cara no asfalto depois de perder o controle da bicicleta. Isso renderá um post em algum momento da minha vida, espero.

_59A6946